sobre… Educação Sexual

Tive oportunidade de ler um texto sobre educação sexual que passo a publicar na integra.

“Como cidadã bracarense e católica que sou, não posso ficar amorfa perante tão grande polémica sobre ensinar ou não a sexualidade às crianças, na escola.

Isso de sexualidade é assunto individual. Por que não deixarem as crianças ser crianças, assim como os jovens serem puros, enquanto for tempo de o serem? Quem ensinou aos nossos pais e antepassados tudo isso? Pois digo-lhes que foram pessoas que viveram com os pés assentes no chão e, nos seus lares, havia harmonia familiar. Por que estão tão preocupados em que as crianças sejam enxovalhadas com esse tema?

Eu dou a resposta.

É que, a partir de certas autoridades governamentais, os valores morais perderam-se!

Os crucifixos, nas escolas, foram retirados; a religião e moral, nas mesmas, são facultativas, e a liberdade não existe. Existe, sim, a libertinagem, porque a verdadeira liberdade tem limites. Ai de nós, se não houvesse limites entre os mares e a Terra, entre a selva e as povoações, etc… Morreríamos todos afogados e comidos vivos.

Por que não optarem por ensinar às crianças e jovens, desde tenra idade, a serem puros e a não cometerem actos impróprios das suas idades e situações? Por que não incutir-lhes valores morais, assim como a noção de verdadeira liberdade, que os torna mais responsáveis e os deixa mais felizes? É que a felicidade existe, mas não lhes é concedida.

Todo este desequilíbrio moral e psíquico começou com as discotecas, as fúnebres casas abertas toda a noite, onde tomam conhecimento de coisas horrendas. Uma delas, e talvez a primeira, é a droga.

Com os efeitos dela, vêm outros comportamentos que os destroem até apodrecerem, não esquecendo o sofrimento, pelo menos físico, deles e também dos seus familiares, que vivem angustiados, assistindo ao degradamento dos seus próprios filhos.

Este é o grande drama da sociedade de hoje e desde há algumas décadas. O nosso país poderia ser modelo para outros países europeus, se voltasse às origens, não em tudo, mas no bom senso, na verdadeira educação, no respeito e afecto pelo próximo, começando por assumir os seus próprios deveres, sem lhes serem retirados os seus próprios direitos.

Se os nossos jovens voltarem a viver a mocidade pura, o que em tempos existia, e exercerem a sexualidade na ocasião própria, com responsabilidade e direito, garanto que a maior parte das famílias voltará a respirar de alegria.”

Maria Dolores Pereira Ackle

Depois de ler isto pensei: onde é que guardam estas pessoas? Onde é que vivem e se escondem?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: